Apesar de ter superado valor mínimo, finalmente ultrapassando a marca de R$ 1 real o quilo, safra da uva 2019 não será positiva devido perdas com temporais. Em São Marcos a colheita terá quebra de até 60% na produção total.

O preço mínimo da uva, anunciado no último dia 4 pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), passa a valer a partir do dia 1º de janeiro. O quilo da uva industrial na safra 2018/2019 está fixado em R$ 1,03 e representa aumento de 11,9% (ou R$ 0,11) em relação à safra passada, quando era de R$ 0,92.  A proposta das vinícolas era manter o mesmo valor, enquanto produtores pediam pelo menos R$ 1,05.  O preço mínimo definido ficou entre estes valores, passando pela primeira vez na cada de R$ 1, agradando alguns produtores.

O reajuste ainda não é o ideal, já que nas últimas duas safras o governo manteve os R$ 0,92. Nesse período, os custos de produção aumentaram muito mais do que a inflação. O valor de R$ 1,03 foi solicitado para a safra de 2017, assim sendo, ainda compromete os lucros na produção. Além de todas as variáveis que afetam o cultivo da uva, produtores ainda tem que torcer para que as vinícolas cumpram o que foi acordado. Na safra passada, algumas variedades com graduação abaixo dos 15 graus Babo (índice de açúcar) não receberam o mínimo de R$ 0,92.

A previsão da próxima safra é de colher cerca de 550 mil toneladas, 20% a menos do que a de 2018, quando foram colhidas 663 mil toneladas. A quebra se deve ao prejuízo deixado pela chuva de granizo que atingiu 14 municípios da Serra no final de outubro.

Em São Marcos, conforme dados da Secretaria da Agricultura, que acompanhou os levantamentos das perdas referentes ao granizo do dia 31 de outubro, junto as corretoras de seguro, produtores e Emater, no caso particular da uva, que foi a área mais afetada pelo granizo, a produtividade média do município ficará entre 10 a 15 t /ha, que significa perdas de 60% da produção total.

Também houveram danos severos em outros cultivos no município, alguns casos chegado a patamares de  93% a 96% de perdas.

A estimativa inicial de produção  em todo o município era de 32.500 toneladas de uvas e após o evento esta estimativa é de 13.000 toneladas.

Apesar da divulgação do preço mínimo  da uva  Isabel 15° Babo estabelecido de R$ 1,03, não irá diminuir os prejuízos causados pelo granizo, pois não temos produção suficiente para cobrir sequer os custos de produção. Além da redução da qualidade  da produção que restou nas plantas, que dificilmente atingirão os 15° Babo.

Após levantamentos o prefeito Evandro Kuwer encaminhou decreto de situação de emergência, que foi reconhecido pelo Ministério da Integração Nacional. Com isso produtores terão acesso á benefícios junto à União. Para mais informações sobre o caso, o produtor deve entrar em contato com a Secretaria Municipal da Agricultura, na prefeitura de São Marcos.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here