Faça o que tem que ser feito

0
251

Como dizia Chorão (Charlie Brown Junior). –Muitos morrem como se nunca tivessem vivido, outros vivem como se nunca fossem morrer

Cuidado com os sinais, em uma época aonde a sociedade contemporânea foi acometida por uma coletiva epidemia emocional, uma ansiedade que levou nossa espécie a um naufrágio nas profundezas obscuras do medo no oceano do seu inconsciente, precisamos nos libertar desse naufrágio antes que nosso tempo de vida se esgote sem que tenhamos vivido. Pois como dizia Chorão (Charlie Brown Junior). –Muitos morrem como se nunca tivessem vivido, outros vivem como se nunca fossem morrer. Esse muitos é na verdade a maioria, a maioria das pessoas que estão vivas nesse momento, a maioria das pessoas que você conhece, que conheceu e que conhecerá não estão de fato vivendo, estão apenas existindo, e quando enfrentarem o tribunal que o tempo ergue sobre sua consciência, irão ser sentenciados pelo pior dos sentimentos que podemos possuir, pois a pena mais severa que o tempo nos outorga é o arrependimento pela negligência com quem agora o julga.

Quando somos crianças a vida parece uma eternidade, quando somos adolescentes parecemos saber tudo e poder tudo, quando somos jovens somos desiludidos pela amargura que é saber que nada é tão fácil como parecia, quando adultos somos surpreendidos pela sensação de que o tempo acelerou e nos deixou para trás, quando amadurecemos percebemos que aquilo que tínhamos de mais preciosos que era o tempo, já está ficando escasso e se fecunda uma sensação de pobreza sobre o que não usamos adequadamente, quando envelhecemos eu ainda não sei o que ocorre, mas penso que uma pequena minoria irá degustar o orgulho da forma que usaram seu maior capital que tiveram. E que para a maior parte restará a esperança de uma nova oportunidade, pois essa foi consumida pelos pensamentos sobre o futuro e pelas culpas do passado.

Cuidado com os sinais de que o medo tem regido seus passos, os sinais são claros e gritam clamando pela ação da alma, se apresentam em forma de dor e se não são ouvidos se convertem para um sofrimento que nos paralisa. Paralisa no emprego que detestamos, com amigos que nos afogam, no relacionamento que nos torna malignos, com a vida que nos envergonha. Se perceber os sinais, é hora de olhar pra dentro, é hora de fazer uma limpeza, quem sabe uma mudança, ou quem sabe uma conexão com Deus, ou com você mesmo. Mas para isso esteja disposto a enfrentar a dor de fazer o que é preciso e não o que é melhor.

Deixe uma resposta

Por favor, digite seu comentário
Por favor, coloque seu nome aqui