“Eu realmente preciso comprar isso?”

0
743
Imagem ilustrativa

Vou começar essa reflexão com um questionamento simples: quantas vezes tu te pegou comprando algo por impulso e antes mesmo de chegar em casa e usar pela primeira vez, sentiu um grande arrependimento?

É quase impossível encontrar alguém que não tenha feito isso pelo menos uma vez na vida. Com o estilo de vida que levamos atualmente, onde vivemos apressados, com pouca disponibilidade para momentos de lazer que demandem um tempo de qualidade, o ato de comprar tem se igualado a uma forma de recreação e muitas vezes, tem ocupado o lugar de estratégia para anestesiar emoções desagradáveis (e aqui mora o maior risco e onde a psicologia se encaixa como reflexão).

Quando utilizamos um comportamento (seja ele qual for, neste caso, comprar) para evitar entrar em contato com o que sentimos, estamos negligenciando uma importante “ferramenta interna” que temos à nosso favor: nossas emoções têm papel de nos comunicar quando algo não vai bem e devem ser ouvidas e observadas para que possamos resolver o que está causando esse mal estar. Disfarçar, esconder ou mascarar não irá ajudar nada e no caso de comprar para tamponar uma emoção desagradável, poderá gerar problemas ainda maiores, como gastos desnecessários, dívidas e objetos nunca usados.

Existe uma diferença importante entre alguém que faz compras por necessidade ou, casualmente, por desejo (dentro de um planejamento e equilíbrio) e as pessoas que compram compulsivamente. A maior diferença reside no fato de que compradores compulsivos perdem o controle e compram por impulso, sem ter realmente uma necessidade e sem avaliar previamente, inclusive, o investimento financeiro que estarão fazendo. Sensações de euforia e prazer com frequência sentidas antes da compra dão lugar para emoções como culpa e o arrependimento – “fantasmas” emocionais que acompanham essas pessoas.

Para te ajudar a fazer uma análise coerente e saudável sobre a forma que tu te relaciona com o ato de comprar, seguem algumas perguntas para reflexão:

  • Tu costuma te envolver excessivamente com compras?
  • Quando compra algo, sente que acaba perdendo o controle e comprando mais do que deveria poderia?
  • Já houve alguma vez onde tentou e não conseguiu controlar o impulso de comprar algo?
  • Percebe se costuma sair para fazer compras quando se sente triste ou frustrado(a)?
  • Mente ou desconversa para esconder quanto gastou?
  • Tem problemas financeiros em função das compras feitas?

Caso tenha respondido positivamente para a maior parte dessas perguntas, talvez seja a hora de parar e refletir sobre novas formas de se relacionar com esse setor da vida – isso para que possa aproveitar o máximo possível sem consequências negativas que anulem as sensações positivas de fazer compras.

Ótima reflexão!

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here