Crítica – ELI

0
187

Filme Netflix mistura ficção e terror para surpreender o espectador

Já falei aqui sobre Plot Twist, o termo conhecido como “virada” no cinema. O plot twist é o momento em que a lógica que você estava seguindo, para uma trama, de repente é virada completamente ao avesso. Nos filmes de terror e ficção o plot twist tem se caracterizado como um elemento essencial, para chocar os espectadores. Os diretores de terror e suspense, Alfred Hitchcock (Piscose, 1960) M. Night Shyamalan (O Sexto Sentido, 1999)  e James Wan (Jogos Mortais, 2004), tem sua obra caracterizada com ótimos plot twistes. Pois agora, na véspera do dia das Bruxas, a Netflix nos oferece ELI, um ótimo filme de ficção cientifica. Ou talvez não.

Alergia do Mundo

Em Eli somos apresentados ao garoto que dá nome ao título. Ele possui uma doença autoimune que o impede de ter qualquer contato com o mundo exterior. O menino vive dentro de uma bolha plástica, com oxigênio filtrado. Para sair na rua precisa vestir uma roupa totalmente vedada. Qualquer contato com o ar faz que pipoquem alergias mortais por toda sua pele. Mesmo diante de tantas dificuldades, os pais do menino parecem ter esperança em uma cura, graças a uma cara tecnologia avançada.

Balsamo Benigno

Desta forma eles o levam para uma clínica, em um lugar distante. Nela o garoto vai ser submetido a diversos tratamentos. A clínica fica em uma casa antiga e é completamente vedada. O lugar é dirigido pela misteriosa Dra. Isabella Horn e suas assistentes. Logo nas primeiras fases do tratamento o garoto começa a ficar fraco e ter alucinações. Ele passa a enxergar fantasmas e outras assombrações. Para se sentir melhor, naquele ambiente assustador, encontra como confidente uma garota ruiva, Halley. A amiga o contata do exterior da casa, o acessando pelo vidro da janela.

A diferença é a dose

Embora a insistência da médica, as medicações não parecem ter efeito em Eli, a não ser a atração de mais manifestações fantasmagóricas. Aos poucos o menino vai descobrindo situações nada agradáveis sobre a clínica, como o destino de outros pacientes que tentaram se curar da mesma enfermidade. Quanto mais Eli se aprofunda no mistério, mais Isabela se esforça para controlá-lo. Talvez seja a hora do garoto fugir, mas como fazer isto se não consegue sobreviver no mundo exterior? Afinal qual a solução para este divertido drama de ficção cientifica? Ou será esta uma história de terror?

Ingredientes do Medo

Eli tem vários motivos para ser um filme interessante. O primeiro deles é a sua trama, bastante redonda, com um início, meio e fim numa ação progressiva. Esta vai cativando o espectador, até o seu desfecho. O segundo motivo são as pistas deixadas no roteiro que te levam a conclusão do que se trata o enredo. Você pode observá-las nas cruzes, de ponta cabeça, que estão espalhadas no sanatório. Também na garota de cabelos vermelhos, que se torna a confidente do menino ou mesmo no nome dos outros pacientes, já falecidos. São eles Lucius, Perry e Agnes. Certamente no decorrer do filme existem outros elementos escondidos a serem encontrados pelos espectadores, o que torna a obra ainda mais interessante. Todas dicas indicam a uma construção lógica, que só quem gosta de filmes de suspense consegue fazer. A elucidação do quebra cabeça obviamente apenas se apresenta no final da fita.

Virada Final

Infelizmente Eli é daqueles filmes que não se pode falar muito, para não estragar a surpresa com spoilers. Mas certamente é uma ótima pedida para 31 de outubro, dia das bruxas. Coloque-o na sua lista de doçuras ou travessuras e aproveite a data para curtir este misto de ficção cientifica e terror, da Netflix. Apenas esteja preparado. O plot final pode ser realmente impressionante. O filme é uma prova que nem sempre torcemos para o lado correto, principalmente em uma noite de Hallowen. Bom que ao menos podemos nos divertir com estas viradas fantasmagóricas da vida e do cinema.

Trailer

Elenco, Citações e Referências

Eli – Charlie Shotwell, Capitão Fantástico, 2016

Rose, a mãe de Eli – Kelly Reilly,  O Voo, 2012

Paul, o Pai de Eli – Max Martini, Círculo de Fogo, 2013

Dr. Isabella Horn – Lili Taylor, Invocação do Mal, 2013

Haley – Sadia Sink, Stranger Things, Desde 2016

Deixe uma resposta

Por favor, digite seu comentário
Por favor, coloque seu nome aqui