Aedes: após dois meses sem registros, equipes de saúde encontram o 37º foco de larvas do mosquito

0
681
Agentes estão colocando telas em caixas d'água, tonéis e possíveis criadouros. Foto: divulgação

Coleta ocorreu na última semana no bairro Francisco Doncatto. Desde fevereiro o município luta para reverter os dados e sair do quadro de cidade infestada pelo Aedes aegypti

No último dia 21 de agosto agentes de endemias da Secretaria da Saúde confirmaram mais um foco de larvas do Aedes no município. A amostra positiva foi coletada no bairro Franscisco Doncatto. Com este caso, subiu para 37 o número de focos registrados em São Marcos.

Como já era esperado pelos profissionais da saúde, devido ao período sazonal São Marcos estava há 2 meses sem confirmar o surgimento de novas larvas, em 30 amostras coletadas. Logo, com a proximidade do verão as larvas voltam, mas as expectativas são boas conforme relata a coordenadora do Programa Municipal de Vigilância e Controle do Aedes, Daiane Alves.

Equipe de agentes do programa de combate pedem compreensão e colaboração dos moradores. Foto: divulgação

“Já estamos repassando todos os imóveis novamente e percebemos que a população está mais atenta e muitas residências bem cuidadas quanto a criadouros. Nossa agente de endemias concursada iniciou os trabalhos e também representa um grande avanço, pois antes não tínhamos um profissional fixo nos trabalhos de campo, apenas estagiários e as agentes de endemias temporárias. Em julho iniciamos a atualização dos imóveis do município, passando pente fino, bairro por bairro”, explica a coordenadora do programa de combate.

As ações reforçam a eliminação de criadouros e apesar da adesão de grande parcela da população, Daiane pede para que os moradores deixem as agentes de endemias entrarem nas residências. “Algumas pessoas ainda recusam a entrada ou dificultam a inspeção, não prendem os cachorros ou ainda soltam para as meninas não entrarem”, diz ela.

Cabe destacar que configura infração sanitária passível de multa manter criadouros do mosquito e não atender as orientações preventivas.

Após a concluído de 100% de imóveis vistoriados, em julho iniciou novo ciclo onde a meta é vistoriar todos novamente até outubro. “Esse trabalho seguirá até ficarmos 12 meses consecutivos sem registros de novos focos do Aedes”, apota Daiane.

Levantamentos e ações de prevenção vem sendo desempenhadas desde fevereiro, quando São Marcos entrou na lista de cidades infestadas. Foto: divulgação

“Temos ouvido muito as pessoas dizerem: mas de novo, vocês já passaram…
acontece que esse trabalho é continuo, nunca paramos, vamos passar pelo menos 3 vezes no mesmo imóvel por ano, durante o período de desinfestação”, reforça.

A atualização dos imóveis é uma atividade a parte, tecnicamente chamada de RG – Registro Geográfico ou Mapeamento Geográfico. Consiste basicamente na contagem dos imóveis, quadras e bairros, distinguindo entre residencias, terrenos baldios, indústrias, etc. Estes dados são muito importantes, tendo em vista que são bases para quantificar os índices de infestação do Aedes, também é por meio desses dados que calculamos o número de agentes de endemias necessários para o desenvolvimento das ações.

“Começamos o trabalho de atualizar os RGs(mapas) agora no começo de julho, enquanto duas equipes vão inspecionando os imóveis, outra equipe confere número da quadra, número do imóvel, se é residência, se não é mais terreno baldio”, explica.

Tanto o levantamento de índice (vistorias nos imóveis) e tratamento de focos, quanto a atualização dos imóveis (RG) estão acontecendo paralelamente.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here